Postado por Leo Mesquita on sexta-feira, agosto 17, 2012
Marcadores: , ,

Então domingo tem a Meia do Rio. Umas das provas mais populares do Brasil. Que atrai, segundo o seu organizador, cerca de 12 mil pessoas. Participei desta prova em 2010. Estava treinando para a Maratona de Berlim. O meu objetivo ao participar da prova carioca era conhecer uma largada totalmente afunilada. Tinha uma grande preocupação para Berlim. Será que a multidão de 40 mil pessoas inscritas na prova alemã me atrapalhará na largada? Quanto tempo gastarei para me livrar da massa de atletas e imprimir o meu ritmo de corrida.
A execução da Meia do Rio é excelente. O percurso é belíssimo. Correr no Rio de Janeiro é tudo de bom. Mas a largada!!! Infelizmente tenho de ser honesto e dizer que nunca mais correrei esta prova apenas por causa da desorganização da largada. Tenho um sonho de um dia correr a São Silvestre. Mas da mesma forma que a Meia do Rio, enquanto o organizador não der um jeito naquela largada, infelizmente continuarei sonhando com a São Silvestre.
Assim, no dia 22 de agosto de 2010, estava eu no Rio de Janeiro para participar da Meia do Rio. Largada às nove da manhã, cobertura da TV. Me posicionei razoavelmente no fundo do pelotão de largada. Se queria testar o funil de corredores, tinha de ser assim. Foi dada a largada da prova, mas ninguém percebeu. Impossível perceber de onde eu estava. Depois de algum tempo a massa de corredores começa a caminhar. Após inacreditáveis 12 minutos cruzo o tapete de largada. Isto mesmo: 12 minutos para largar. E ai começa o meu stress. Fui ziguezagueando, corta um aqui, ultrapassa outro ali, freia, acelera, quase tromba, pede licença, pede desculpa e fui passando. Uma coisa de doido subindo e depois descendo a Avenida Niemeyer. Com muito, mas muito mesmo stress, consegui chegar no km 3 da prova, já no Leblon, em pouco mais de 12 minutos, o que me deixou mais tranquilo com relação a Berlim, mas num nível de stress que foi difícil esquecer.
Pouco mais de 30 dias depois eu estava em Berlim. 40 mil pessoas inscritas. Porém um pelotão de largada perfeitamente organizado. Assim como deveria sempre ser. Quanto tempo eu demorei para cruzar o tapete de largada em Berlim? 8 segundos! 
Sem mais, fico por aqui.
Bom final de semana e bons treinos a todos! 

4 comentários:

Corredora Feliz disse...

Oi Leo!
concordo com você, a organização fora, é impressionante. Acabei de postar sobre correr fora de seu lugar. VocÊ é corredor de verdade, eu só brinco, então ainda dá para passear e correr aqui no Brasil!
Boas corridas e abraços

ivana. disse...

Nossa, é um mar de gente, amigo ...

Bruno Chinellato disse...

Oi Leo, participei de poucas provas até hoje, mas já percebi que é comum a desorganização na largada e que geralmente os atletas não cumprem as divisões por ritmo o que também também atrapalha bastante. Mas pelo que tenho ouvido de muitos corredores experientes, parece que isso tem melhorado ao longo dos últimos anos, ao menos em algumas provas. O que você acha do cenário geral?

Abraços,
Bruno Chinellato
improvavelcorredor.blogspot.com

Leo Mesquita disse...

Bruno,

acho que o cenário geral é ruim.
Realmente o grande culpado é o atleta que não se posiciona corretamente.
Mas a empresa que organiza também não ajuda a melhorar a questão.
Nunca vi um único folheto sendo distribuído no kit da prova instruindo o atleta a se posicionar corretamente no pelotão.
Apenas colocar placas na largada não é suficiente.
Muitos atletas nem sabem em que ritmo correm.
Assim acho que as empresas precisam se esforçar mais para resolver o problema.
E acho que a questão tem de ser resolvida para todos.
Não apenas para atletas de elite ou alguns outros que correm em ritmo mais intenso, algo como o pelotão TOP 300 da Iguana, Pelotão Quênia da Vetor Esportes ou Elite B.

Search