Postado por Leo Mesquita on segunda-feira, fevereiro 18, 2013
Marcadores: , ,



No futebol, a paradinha numa cobrança de pênalti é considerada por muitos como um ato incorreto. Quando o cobrador finge que vai bater, interrompe seu movimento por uma fração de segundo, espera o goleiro escolher um lado a defender, e chuta a bola no outro canto, reduz bastante a chance de defesa do goleiro. Imprevistos acontecem e o cobrador pode chutar a bola para fora, o goleiro pode se recuperar a tempo e alcançar a bola e até mesmo a bola pode bater na trave e voltar na mão do defensor. Mas a coisa fica realmente vergonhosa é quando o cobrador faz uma verdadeira cera e estende a paradinha para uma verdadeira paradona.
No carnaval do Rio de Janeiro, as escolas de samba são obrigadas a fazer a paradinha da bateria. Num local adequado a bateria precisa recuar e deixar que parte da escola de samba siga em frente. O grande desafio neste ponto é que a paradinha não influa na evolução da escola de samba, gerando clarões ao longo da avenida. 
Nos treinos de corrida de rua existe também a paradinha. Esta faz parte do treino nos intervalados. São programadas, com duração planejada, e muitas vezes até mesmo o que fazer durante a paradinha é determinado pelo treinador. 
Nos treinos longos a paradinha é algo que pode acontecer. Se você sai para treinar sozinho e vai correr por um bom tempo, cerca de duas horas ou mais, inevitavelmente vai ser obrigado a parar por algum motivo. Beber água caso não leve consigo um cinto de hidratação, comprar água para encher as garrafinhas do cinto de hidratação, atravessar uma rua, comprar algum alimento, amarrar o tênis e outros tantos eventos relacionados com a corrida de longa duração. Caso isto venha a ocorrer não se culpe, seu treino não está sendo prejudicado. A grande razão do treino longo é você se manter em atividade por muito tempo, consumir todo o estoque de energia, treinar mentalmente o controle do esforço físico. Uma paradinha curta, por poucos minutos, no máximo 5, não prejudicará em nada o treino. Claro que aqui também a paradinha não pode virar uma verdadeira escala de viagem e demorar muitos minutos. E também não pode acontecer a todo instante. 
Se a paradinha durante o treino longo for honesta, uma ou duas, e de curta duração, pode ter certeza, ela não está em nada prejudicando o planejamento. Não se martirize por isto.
Bons treinos a todos!

3 comentários:

Ricardo Nishizaki disse...

Mas não pode parar o cronômetro!! Se for parar numa prova para fazer algo, o crônometro oficial não para, né?

Leo Mesquita disse...

Ricardo, eu paro o cronômetro sem o menor pudor. Não me penalizo por isto. Abcs!

Rodrigo Smarzaro disse...

Parar para uma coca cola quando o calor tá forte é dever sagrado... :-)

Search