Postado por Leo Mesquita on terça-feira, maio 29, 2012
Marcadores: , ,

Triatleta Pamela Oliveira - Pan 2011 
Quanto sofrimento você suporta? 
Quanto você está disposto(a) a sofrer pelo seu objetivo?
Esta pergunta envolve diversas áreas das nossas vidas. Por exemplo, para passar no vestibular um estudante tem de abrir mão de diversas atividades mais prazerosas do que ficar estudando durante o final de semana. Pessoas que estão interessadas em perder peso tem de ficar sem comer aquelas sobremesas que mais gostam. Ou seja, uma pitada de sofrimento é sempre necessária para obter um objetivo maior. 
No caso da corrida de rua isto também tem um relacionamento muito forte e foi o que eu comprovei nas duas últimas provas de 10 km que participei nos últimos dois domingos. Obtive resultados muito agradáveis, que me deixaram extremamente realizados, mas de acordo com os meus treinamentos, eu acreditava que era possível obter um resultado um pouco melhor.
É ai que entra o nível de sofrimento que suportamos ou que estamos dispostos a suportar. Nas duas provas que participei fui limitado psicologicamente pelo sofrimento. Sabia que podia mais, entretanto o medo de simplesmente não suportar um esforço maior me limitou a apenas manter o que já não era fácil.
Assim concluo que além de treinar forte de forma dedicada é preciso aprender a suportar um nível de sofrimento que não estamos acostumados. E apenas se expondo a este nível maior de sofrimento é que saberemos que ele pode ser suportado. A experiência neste caso é a melhor forma de aprendizado. 
Bons treinos a todos!

5 comentários:

elis disse...

muito interessante seu post, Leo!

acho que a motivação é um fator determinante pra ajudar nessa superação, da dor, do desgaste, dos sofrimentos...
quando me sinto motivada, a dor e o sofrimento ficam em segundo plano...
mas também acredito que o treinamento é fundamental...
comecei a fazer treinos de velocidade há pouco tempo, e percebo que quanto mais eu treino no meu limiar mas eu aprendo a suportar, a aceitar o incômodo de correr nesse ritmo mais forte... e quando estou lá, ralando no treino, penso apenas que preciso superar o incômodo pra ir além, pra chegar aonde quero...

ah, ontem vi uma matéria interessante sobre o tema treino e resistência à dor na Runners:

http://sweatscience.runnersworld.com/2012/05/how-training-affects-your-perception-of-pain/?cm_mmc=NL-TrainingExtra-_-925900-_-05292012-_-Pain%3A-How-Much-Can-You-Take%3F

bons treinos!
bjs
http://elismc.blogspot.com

Karinne Vanessa disse...

Léo, seja forte que superá seus limites!!
Continue focado e bola pra frente.
Bons treinos ai.
Abraço, Karinne.

ivana. disse...

Nossa, muito bom teu post ! Meu carinho.

Helena - Floripa/SC disse...

Oi, Léo.
Acho que todo corredor se pergunta até onde consigo aguentar, manter o ritmo sem quebrar na prova. É uma questão difícil de responder. E está dentro de cada um. A consistência no treino é fundamental, principalmente acima dos níveis de esforço.
Só que, sinceramente, na prova temos o fator psicológico. E trabalhar a cabeça tbem faz a diferença.
Forte abraço e parabéns pelo Sub40. A justiça foi feita!!

Helena
correndodebemcomavida.blogspot.com

Bruno Chinellato disse...

Leo, vou falar uma frase batida, mas acredito que é muito sabia e quem disse tem propriedade para tal:

"A dor é passageira, mas desistir é para sempre!"
Lance Armstrong

Abraços!

Search